Prefeitura Municipal de Valença do Piauí

Caminhada em Valença celebra o Dia Nacional da Luta Antimanicomial

Compartilhar


Data: 19/05/2022

O Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD), de Valença do Piauí, realizou na manhã desta quarta-feira (18), uma caminhada pelo Dia Nacional da Luta Antimanicomial, contando com a presença dos profissionais da saúde e usuários da unidade. A concentração aconteceu no Terminal Rodoviário Joaquim de Moraes Rêgo, no centro de Valença, de onde partiram em caminhada pelas ruas da cidade.

Este movimento da Luta Antimanicomial nasceu no Encontro Nacional de Trabalhadores da Saúde Mental, em 1987, com o lema “por uma sociedade sem manicômios”. Denunciava-se abusos e violação de direitos humanos sofridos pelos usuários da saúde mental. Lutava-se pelo fim desse tipo de tratamento e pela instalação de serviços alternativos. Uma das conquistas desse movimento foi a Lei nº 10.216/2001, que determina o fechamento progressivo dos hospitais psiquiátricos e a instalação de serviços substitutivos, como os CAPS, as residências terapêuticas, programas de redução de danos, centros de convivências e as oficinas de geração de renda.

“Esse é um dia crucial, que é o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, que é um movimento social com os usuários, familiares e dos trabalhadores da saúde mental que defendemos a atenção e os cuidados de forma humanizada para os usuários. Esse serviço serve para garantir que eles tenham uma atenção humanizada e seja pautada nos direitos humanos e que esses direitos sejam mantidos, por isso que estamos aqui para lembrar essas conquistas”, disse a coordenadora do Caps AD Isonária Ferreira

O secretário de saúde do município, Ruanderson Barros, destacou a importância da manifestação e das conquistas.

“Esse evento traz a reflexão de como é a assistência psiquiátrica hoje, antigamente o paciente quando sofria algum tipo de transtorno mental ele era isolado, era colocado em hospícios e manicômio e esse serviço de exclusão, muitas vezes de violação dos direitos dos pacientes hoje já não é mais ofertado, com esse movimento social conseguimos muitas vitórias, como ofertar o serviço aberto, que é o serviço de Caps, que é uma terapia onde a família participa do tratamento dos pacientes e a gente fica muito satisfeito com o trabalho que o Caps AD em nome da coordenadora Isonaria vem realizando no município, que está servindo de referência para todo o estado do Piauí”, destacou Ruanderson Barros.








Voltar